sondagem vesical de demora

Webnode

Webnode

 

material

1. 01 par de luvas estéreis.
2. 01 Sonda folley estéril descartável (nr 16).
3. PVPI tópico.
4. compressas de gaze estéril.
5. lidocaína gel.
6. coletor de urina de sistema fechado.
7. bandeja de materiais estéreis para cateterismo (cuba rim, cúpula, pinça cheron).
8. seringa de 20 ml.
9. agua destilada – ampola.
10. campo fenestrado.
11. lençol.

 

 

descrição do procedimento

Paciente do sexo feminino
1. Posicionar a paciente confortavelmente.
2. Lavar as mãos.
3. Abrir a bandeja de cateterismo usando a técnica asséptica. Colocar o recipiente
para os resíduos em local acessível.
4. Colocar a paciente em posição de decúbito dorsal com os joelhos flexionados, os
pés sobre o leito mantendo os joelhos afastados.
5. Calçar as luvas estéreis.

6. Separar, com uma das mãos, os pequenos lábios de modo que o meato uretral
seja visualizado; mantendo-os afastados, até que o cateterismo termine.
7. Realizar antissepsia da região perineal com PVPI tópico e gaze estéril com
movimentos únicos:
- Horizontalmente, do meato até monte de Vênus. A seguir, verticalmente do
meato até final da comissura labial posterior, inicialmente sobre grandes lábios,
após entre grandes e pequenos lábios e, por último, em movimentos circulares
sobre o meato, de dentro para fora.
8. Lubrificar bem a sonda com lubrificante ou anestésico tópico prescrito.
9. Introduzir a sonda pré-conectada a um coletor de drenagem de sistema fechado,
bem lubrificada por 5 a 7 cm no meato uretral, utilizando técnica asséptica estrita.
10. Tracionar suavemente a sonda até sentir até sentir resistência.
11. Insuflar o balonete com água destilada (aproximadamente 10 ml), certificando-se

de que a sonda está drenando adequadamente.
12. Fixar a sonda de demora, prendendo-a juntamente com o equipo de drenagem na
coxa.
13. Secar a área e manter paciente confortável.
14. Lavar as mãos.
15. Realizar anotação de enfermagem, assinar e carimbar (conforme decisão do
COREN-SP-DIR/001/2000).
16. Registrar procedimento em planilha de produção.
17. Manter ambiente de trabalho em ordem.

Paciente do sexo masculino
1. Lubrificar bem a sonda com lubrificante ou anestésico tópico prescrito.
2. Realizar a antissepsia com PVPI tópico e gaze estéril em movimentos únicos da
base do pênis até o púbis, e após da base do pênis até raiz da coxa,
bilateralmente. Após, da glande até a base, e por último em movimentos circulares
sobre o meato, de dentro para fora.
3. Introduzir a sonda dentro da uretra quase até sua bifurcação, até que a urina flua.
4. Quando a resistência é sentida no esfíncter externo, aumentar discretamente a
tração do pênis e aplicar pressão suave e contínua sobre a sonda. Pedir para que
o paciente faça força (como se estivesse urinando), para ajudar a relaxar o
esfíncter.
5. Insuflar balonete com água destilada (aproximadamente 10 ml).
6. Fixar a sonda de demora, prendendo-a abaixo do umbigo na vertical.
7. Secar a área e manter paciente confortável.
8. Lavar as mãos.
9. Realizar anotação de enfermagem, assinar e carimbar (conforme decisão do
COREN-SP-DIR/001/2000).
10. Registrar procedimento em planilha de produção.
11. Manter ambiente de trabalho em ordem.

OBSERVAÇÃO:
A. Trocar a sonda de demora e a bolsa coletora a cada 7 dias ou quando necessário
após avaliação médica ou do enfermeiro.